Conheça os diferentes tipos de Capital de Giro



Você conhece a fábula da formiga e da cigarra, certo? Só para garantir, vamos dar uma relembrada. Calma, daqui a pouco você vai entender a relevância!


Chega o verão, e a cigarra se põe a cantar e dançar, aproveitando o calor da estação. Enquanto isso, a formiga não se deslumbra com a beleza da natureza e mantém a rotina de trabalho. A cigarra ri do jeito mal-humorado da formiga e permanece em sua festa particular.


Os meses passam e o frio do inverno cheio de neve volta a tomar conta da paisagem. É quando a cigarra, faminta e exposta ao clima congelante, vê a formiga confortável e quentinha em sua casa, aproveitando a comida que guardou ao longo do tempo em que não abriu mão de trabalhar.


Já deu para sentir, né? A fábula tem diversas interpretações, mas vamos nos ater às questões de gestão financeira. Continue com a gente nessa história!


O que é Capital de Giro?


A formiga certamente não sabe, mas ela investiu seus esforços em construir um belo “Capital de Giro” para enfrentar as adversidades. Por outro lado, a cigarra se limitou a “viver o momento”, sem se preocupar com eventuais fases de baixa que poderiam ocorrer.


Será que isso está acontecendo com a sua empresa neste exato momento? Você está preparado para superar dificuldades financeiras não previstas?


Então, vamos entender melhor do que se trata!


Capital de Giro são os recursos financeiros que a empresa necessita para arcar com os custos da sua operação (despesas fixas, despesas variáveis, tributos etc.), mantendo o negócio em funcionamento.


Além do caixa, os ativos podem ter origem no resgate de investimentos, contas bancárias secundárias, venda de estoques, resgate de criptomoedas ou outra fonte de alta liquidez.


A preocupação com a formação do Capital de Giro deve ser constante, a fim de garantir os recursos necessários para honrar os compromissos dentro dos prazos.


É fácil entender! Os recursos de qualquer empreendimento são provenientes da venda de produtos ou serviços.


Caso esses valores sejam recebidos somente após o vencimento das despesas, a empresa pode se tornar inadimplente ou ficar com o caixa deficitário, tendo que buscar empréstimos externos, arcando com juros.


Portanto, um dos objetivos dos gestores é equacionar o fluxo de entradas e saídas para manter a saúde financeira da organização, trabalho que pode ser otimizado com o apoio de um serviço de Contabilidade Consultiva.


Assim, é essencial acumular um volume de Capital de Giro que, não apenas supra as necessidades imediatas de caixa, mas também suporte adversidades mais longas, provocadas por eventos como: sazonalidade, falta de matéria-prima, aumento dos insumos etc.


Cada empresa possui uma realidade distinta. No entanto, quando o Capital de Giro concentra um volume de recursos equivalente a seis meses de despesas, o empreendimento ganha fôlego para enfrentar momentos de maior dificuldade sem precisar buscar dinheiro no mercado ou se desfazer de ativos como imóveis ou veículos.


Como vimos na analogia da fábula, o trabalho da formiga no verão tornou-se o Capital de Giro para enfrentar os rigores do inverno.


Quais são os diferentes tipos de Capital de Giro?


De uma maneira geral, o conceito de Capital de Giro é este que acabamos de ver. Mas, na verdade, a realidade das empresas mostra que esta ferramenta financeira se encaixa em quatro diferentes contextos.


Assim, os diferentes tipos de Capital de Giro encontrados são:


Capital de Giro Líquido


Esta modalidade pode ser entendida como uma espécie de “Capital de Giro de Curto Prazo”, suficiente para cobrir as despesas imediatas.


Aqui, vale a pena definir alguns termos da gestão financeira, para que o conceito possa melhor compreendido.


Ativo Circulante - são os bens de alta liquidez, como dinheiro em caixa, investimentos resgatáveis e mercadorias em estoque, entre outros. Ativos como imóveis, veículos e equipamentos demandam tempo para serem vendidos (baixa liquidez) e não são considerados no Capital de Giro Líquido.


Passivo Circulante - são as dívidas e obrigações que devem ser pagas rapidamente, num prazo que varia de 1 a 6 meses.

O Capital de Giro Líquido resulta da subtração entre o Ativo Circulante e o Passivo Circulante. Se o valor final é negativo, a empresa enfrenta problemas de caixa no curto prazo.


Capital de Giro Negativo


Quando o Capital de Giro Líquido mostra-se negativo durante um mês, pode ter ocorrido alguma situação negativa específica, restrita àquele período contábil.


No entanto, se a situação torna-se constante, a empresa passa a apresentar uma condição de Capital de Giro Negativo, que leva à inadimplência e à necessidade de contratar empréstimos.


Os prejuízos não cobertos mensalmente vão se acumulando e os problemas podem fugir do controle.


Nesses casos, é preciso fazer uma profunda reorganização da gestão financeira, com controle de custos, renegociação de dívidas e cobranças mais assertivas junto aos clientes.


Esse trabalho pode ser feito internamente. No entanto, se os gestores não se sentirem capacitados, vale recorrer aos serviços de consultorias externas especializadas, os chamados BPO Financeiros.


Capital de Giro Próprio


Este é o sonho de consumo entre os diferentes tipos de Capital de Giro.


Mostra que os recebíveis da empresa e os recursos que já dispõe em caixa são suficientes para manter a operação ao longo dos meses seguintes, sem atrasar pagamentos, obter empréstimos ou se desfazer de bens de baixa liquidez.


Capital de Giro Associado a Investimentos


Realizar investimentos financeiros ou voltados à aquisição de equipamentos e materiais faz parte do rol de transações das organizações que buscam a expansão.


Quando uma parte do Capital de Giro Próprio é utilizado para pagar os custos de uma operação dessa natureza, a empresa sinaliza ao mercado que está com boa saúde financeira, viabilizando novos negócios.


Contabilidade a serviço do Capital de Giro da sua empresa


Por tudo o que acabamos de ver, o Capital de Giro exerce uma função prática essencial no sentido de manter as finanças e o fluxo de caixa da empresa em níveis saudáveis no curto, médio e longo prazos.


Ao mesmo tempo, serve de âncora para que a companhia viabilize com maior tranquilidade seus planos de crescimento.


Para ajudar a calcular o Capital de Giro e operacionalizar sua construção ao longo do tempo, é importante contar com o suporte de um profissional contador, que realize o planejamento financeiro e tributário da empresa e identifique as oportunidades que levem ao aumento de receitas e diminuição de despesas.


A PJ Plus é um escritório de Contabilidade especializado em negócios digitais, com profissionais qualificados para colocar as contas da empresa em dia, para que possa desenvolver suas atividades-fim com maior tranquilidade e colocar em prática seus planos de crescimento.


Entre em contato com a nossa equipe e saiba como vamos ajudar sua empresa a decolar!


6 visualizações0 comentário

Descomplique sua contabilidade! Fala com a gente.