Como abrir sua empresa de desenvolvimento de Games




Quem não se sentiria incrível se pudesse trabalhar com aquilo que ama fazer a todo momento e, ainda por cima, ganhar dinheiro com isso?


Pois é com essa mentalidade e disposição empreendedora que muitos amantes de jogos eletrônicos decidem transformar o que sempre foi apenas uma diversão em um negócio próprio, encarando o desafio de ganhar a vida através do desenvolvimento de games.


Obviamente que se trata de uma grande decisão a ser tomada, que deve ser bem estudada em todos os sentidos, uma vez que, se houver “game over” aqui, é bastante difícil recomeçar o jogo.


É preciso avaliar, em primeiro lugar, em que estágio encontram-se a capacidade e os conhecimentos técnicos necessários para dar os primeiros passos na profissão.


Mas não se deve perder de vista que abrir e conduzir uma empresa também requer que habilidades e competências de gestão financeira e administrativa sejam adquiridas.


Elas são mais do que necessárias para superar as dificuldades que surgem conforme os níveis avançam (= desafios do negócio) e aumentar gradativamente a pontuação (= crescer as vendas e o faturamento).


Dá um frio na barriga, não? Mas é assim mesmo, acontece com todo o empreendedor que está começando!


Por isso, vamos falar mais sobre o que deve ser levado em consideração pelo gamer que deseja se tornar empreendedor e dar início ao jogo mais importante de sua vida.


Vem com a gente neste conteúdo!


Desenvolvimento de games: um mercado em expansão


Não é por acaso que o interesse em criar novas empresas voltadas ao desenvolvimento de games e ao desenvolvimento de apps tem aumentado.


Afinal, este mercado vem apresentando índices de crescimento bastante altos, potencializados com a pandemia de Covid-19 e as medidas de restrição de circulação.


Para te deixar com água na boca e com ainda mais vontade de participar deste jogo, confira os principais dados relativos ao segmento no Brasil, conforme a 19ª Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia, realizada pela consultoria PricewaterhouseCoopers:

  • O faturamento em 2021 foi de US$ 1,5 bilhão.

  • O Brasil ocupa a liderança do ranking de quantidade de horas jogadas ao ano na América Latina e está na 13ª posição no mundo, atrás dos Estados Unidos, Japão, Canadá e países da Europa.

  • O mercado brasileiro de games deve crescer 5,3% em 2022.

  • O segmento de jogos para celulares é o que mais cresce, passando de US$ 324 milhões em 2017 para US$ 878 milhões em 2021.

  • Mais de 70% dos brasileiros afirmam serem adeptos de jogos eletrônicos.

  • A faixa etária com o maior número de jogadores é a de 25 a 34 anos (com 33,6%), seguida pela de 16 a 24 anos (32,5%).

  • As mulheres são maioria entre os jogadores (53,8%).

Já o 2º Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais, o último realizado até o momento, mostra que houve um crescimento de 182% no número de empresas nacionais especializadas no desenvolvimento de games. e no desenvolvimento de apps entre os anos de 2014 (quando foi feito o 1º Censo) e de 2020 (portanto, antes da pandemia), chegando a 375 empresas.


Que tipo de empresa devo abrir?


Diante de números tão positivos, é hora de pensar no jeito certo de abrir uma empresa e começar a atuar neste mercado.


O gamer (jogador) que deseja se tornar um player (empreendedor) verifica que, na linha de largada deste jogo da vida real, há duas alternativas viáveis, cada uma com características próprias que, a depender do caso, podem ser consideradas vantajosas ou não.


1) MEI - Microempreendedor Individual


Ser MEI é a maneira mais fácil de abrir uma empresa. Basta acessar o Portal do Empreendedor no site do Governo Federal e, em alguns cliques, ter em mãos o seu CNPJ, sem burocracia alguma.


Um dos principais benefícios desta modalidade empresarial diz respeito à questão tributária, que reúne em uma única contribuição mensal diferentes impostos das esferas federal, estadual e municipal.


No caso de MEIs que atuam no desenvolvimento de games e no desenvolvimento de apps, o valor a ser pago é de R$ 66,60 ao mês.


Entretanto, para ser um microempreendedor individual, é preciso atender a algumas exigências específicas que, para alguns, podem ser consideradas limitadoras:

  • O faturamento anual não pode ser superior a R$ 81 mil, comprovados através da emissão de Notas Fiscais. Vale lembrar que a proposta para que o limite passe a R$ 130 mil ainda em 2022 aguarda sanção da Presidência da República.

  • Não é permitido ter sócios.

  • Somente é possível contratar um único funcionário, pagando a ele um salário mínimo vigente.

  • Existe co-responsabilidade financeira entre CNPJ e CPF, ou seja, caso a pessoa jurídica não consiga honrar seus compromissos, as dívidas recairão sobre o patrimônio pessoal do MEI como pessoa física.

  • Não é necessário ter um contador.

2) ME - Microempresa


Para o desenvolvedor de games e de apps que começa como MEI, este certamente é o próximo nível a ser conquistado.


Há, no entanto, aqueles que preferem dar início ao seu negócio já a partir daqui, pois entendem que uma microempresa atende melhor às suas necessidades.


Confira as principais características das MEs:

  • O faturamento anual deve ser de, no máximo, R$ 360 mil. Se ultrapassar esse patamar, passa à categoria “empresa de pequeno porte” (PME), cujo limite é de R$ 4,8 milhões.

  • Pode ter sócios e não há limite para a contratação de funcionários.

  • O patrimônio dos sócios e da microempresa não se misturam.

  • A tributação obedece às regras do Simples Nacional, de acordo com uma tabela progressiva (quanto mais fatura, mais imposto paga), sendo que não há cobrança nos meses em que não houver receita.

  • As atividades da desenvolvedora de games enquadram-se nas regras do CNAE, podendo, assim, ser elegíveis ao Simples Nacional. O empreendedor pode escolher entre:

a) Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis (6202-3/00);


b) Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador não customizáveis (6203-1/00); ou


c) Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda (6201-5/00).


Busque um escritório de contabilidade especializado no digital


Habilidosos nos games, os futuros empreendedores que querem se destacar na arena dos negócios precisam dar atenção especial a eventuais pontos fracos do seu perfil, que costumam estar relacionados à gestão financeira e aos aspectos administrativos.


Para suprir isso, é importante investir em cursos ou, se for possível, ter um sócio que seja da área de finanças e administração.


Outra dica é contar com o suporte de um escritório de contabilidade que tenha experiência em trabalhar com empresas voltadas às diferentes vertentes da internet e que esteja antenado com as necessidades deste mercado.


Especializada em contabilidade de negócios digitais, a PJ Plus está ao lado do desenvolvedor de games que dá seus primeiros passos, oferecendo todos os serviços contábeis que a sua empresa precisa para caminhar em direção aos objetivos.


Para saber mais, entre em contato com nossos especialistas e visite o blog da PJ Plus.


5 visualizações0 comentário

Descomplique sua contabilidade! Fala com a gente.